Devocional


Depois dos moradores dos sertões brasileiros chorarem pela falta de água há décadas, chegou a vez dos que  moram na zona urbana das grandes capitais. São Paulo por exemplo, está vivendo uma das piores crises hídricas de todos os tempos. Todos de todas as religiões estão pedindo por água. A razão é óbvia, sem ela, é impossível viver. Na próxima semana, dia 22, a ONU celebra mais um dia internacional da água. Em vários países, devido à urgência do problema, as reflexões e eventos sobre esse dia tomarão toda a semana. De fato, estamos em situação de risco. O sistema de vida no planeta Terra está ameaçado e a água se torna o bem mais precioso. Hoje, 1,1 bilhão de pessoas já não têm acesso à água potável, e 2,4 bilhão de pessoas não têm saneamento básico. Cada ano, seis milhões de pobres, dos quais quatro milhões de crianças, morrem de enfermidades ligadas a águas contaminadas. Até o ano 2025, conforme um estudo da ONU, este problema afetará metade da humanidade. O cuidado com a água tem, então, motivos sociais e econômicos. Mas, a nossa relação com a água só mudará se aprendermos com as culturas antigas a nos relacionarmos com a terra e com a água de forma amorosa e espiritual. Os evangélicos deveríamos cuidar bem da água, defender os rios e a natureza, mas infelizmente isso não tem acontecido. Na Bíblia a água também aparece como sinal da ausência de Deus. Sem Deus o homem está frio, ganancioso, arrogante, cruel, corrupto, com fome de poder e, cada vez mais distante do Criador. Jesus disse a mulher samaritana: “Quem crê em mim, do seio dele, como diz a Escritura, jorrarão rios de água viva”(Jo. 4:14).

1. Não viverás no mundo virtual, apenas farás incursões. Não substituirás o mundo real pelo mundo virtual.